SPIRE STUDIO, e o resto é história

Até há á 48 anos, a possibilidade de registar múltiplas pistas num mesmo gravador, fora de um estúdio, estava reservada a apenas alguns privilegiados. Com alguns truques, era possível enganar a máquina e gravar uma pista de áudio sobre outra previamente gravada. O processo era mais barato, mas moroso e a qualidade permitia, no máximo, esboçar grosseiramente uma nova música ou arranjo. Depois apareceram os portastudios. E depois veio o digital. Hoje o estúdio acompanha-o, para onde quer que se desloque, com uma qualidade que nem as despendiosas máquinas de estúdio conseguiriam atingir. O SPIRE STUDIO da iZotope é uma destas novas máquinas, a mais poderosa desta linha. Um estúdio inteiro numa pequena caixa que você guarda na mochila.

Os primeiros gravadores multipista surgiram em 1955, fruto da ideia de Les Paul. Esse mesmo, que deu nome à famosa guitarra da Gibson. Um feito conseguido pela Ampex, a primeira a produzir estas máquinas de 8 pistas. Antes dos gravadores multipista, uma gravação requeria a presença simutânea de todos os músicos e cantores intervenientes, e qualquer engano significava ter de refazer a gravação do início. A gravação multipista introduziu uma revolução no mundo da música. Mas não só. Também no cinema, por exemplo, o trabalho de montagem síncrona da banda sonora — que envolvia até então o uso de uma máquina, gravador ou giradiscos, por cada pista de áudio e complicadas operações de bouncing — ficou enormemente facilitado. A gravação multipista significou uma profunda revolução na produção áudio.

Ampex 8 track de Les Paul

A captação síncrona de vários instrumentos era assim o privilégio reservado a quem podia comprar ou alugar uma máquina cujo preço original rondava os $10,000. Caras, pesadas, de difícil e delicada manutenção. Técnicas como o sound-on-sound permitiam gravar vários instrumentos, desligando a cabeça de desgravar e sobrepondo as gravações. Um processo análogo à múltipla exposição de um negativo, no mundo da fotografia. Na verdade estes processos — que davam resultados de má qualidade — antecederam a gravação multipista, mas continuaram a ser usado na esfera amadora e em certas formas de arte sonora. É em 1972 que surgem os primeiros gravadores multipista em cassete, que ficaram conhecidos como portastudios. De qualidade, naturalmente, inferior aos gravadores de fita profissionais, mas muito mais acessíveis e permitindo a obtenção de uma qualidade, de longe, superior à que seria possível usando métodos como o sound-on-sound ou semelhantes. O uso destes gravadores, que constituiram sucessos de vendas para a Fostex e para a Tascam, estava ainda reservado à produção de maquetas ou ao esboço de orquestrações. Até que em 1981, Bruce Springstein usou maquetas, produzidas num destes gravadores directamente no seu álbum Nebraska. Foi o triunfo definitivo do portastudio e deste conceito, O sucesso do álbum ajudou a catapultar o prestígio do gravador multipista de cassete.

Tascam 4 track mod. 144

Depois disso, o desenvolvimento da tecnologia, em particular das cassetes, permitiu o aumento de número de pistas. Entretanto, inicia-se a revolução do áudio digital, com o aparecimento de formatos como o DAT e mais tarde a gravação para disco rígido. A digitalização permitiu o aparecimento de equipamentos cada vez mais compactos, com maior qualidade e com cada vez mais funções associadas, custando uma fracção do preço dos equipamentos anteriores. Abriram também as portas à gravação e montagem não linear e a uma comunicação entre equipamentos mais simples e eficaz.

É no culminar deste processo que surge o SPIRE STUDIO da iZotope, a expressão última de todo este conceito de estúdio portátil. Este é o modelo mais compacto, versátil e poderoso estúdio multipista digital disponível no mercado.

Spire Studio da iZotope

O SPIRE STUDIO detecta o instrumento e automaticamente calibra o seu nível de entrada, ajustando a sua curva de resposta para lhe dar o necessário destaque na mistura final. Permite gravar e misturar até oito pistas e publicar de imediato.O SPIRE STUDIO combina o hardware da mais alta qualidade com o software de topo da iZotope, numa pequena unidade, muito flexível e totalmente protátil, pronta a entrar em acção onde quer que dela necessite. Através da sua função soundcheck o SPIRE STUDIO detecta o tipo de sinal de entrada e ajusta os seus parâmetros internos para produzir o melhor sinal possível. Os sinais podem vir dos seus parceiros da banda, no seu local de ensaio, numa apresentação pública, local ou remotamente. Com gravação directa ou através de uma rede wireless. Depois de tudo registado, a sua outra função enhance — um exclusivo que provém directamente do OZONE, o software de referência, para mistura e masterização, da iZotope — vai-lhe permitir polir os seus sons antes de eles poderem ser conhecidos pelo mundo.

Veja todas as características do SPIRE STUDIO aqui. Leia aqui um outro artigo sobre este modelo. Veja aqui diversos videos. Contacte-nos para saber mais ainda sobre esta notável ferramenta e outros produtos iZotope.