Madison, mais que um conversor AD-DA

A SPL oferece ferramentas únicas para o profissional do som. Assentes numa tecnologia única, distinguem-se pela sua precisão e pela extrema robustez. Não há estúdio nem profissional de som de referência que não disponham de um modelo da SPL no seu arsenal. O Madison é um destes modelos do fabricante alemão, que exibe características únicas, que nenhum outro fabricante disponibiliza. Razões que justificam ficar a conhecer melhor esta ferramenta, imprescindível no mundo do áudio profissional.

O modelo Madison é um conversor AD/DA de 16+16 canais e interface MADI. Este modelo oferece o que quase nenhum outro fabricante, neste segmento de preço, tem para oferecer: 16 conversores AD/DA. Se lhe juntar o SmartMADI e o Madicon, o conjunto torna-se uma interface de estúdio multicanal, expansível, de primeira ordem.

Quando adquire um Madison passa a dispor de um interface que lhe proporciona:

Distância de transmissão MADI até 2 km
Latência MADI I/O: 1 sample
Porta óptica MADI, tipo SC
Modos Hi/Lo de 56 e 64 canais
Varispeed até +/- 12,5%
Sincronização para MADI, Wordclock ou Interna
ID do dispositivo para encadeamento
Conversores 16 AD e 16 DA
24 bits / até 192 kHz
LED de nível por canal em blocos de quatro facilmente legíveis
O dBfs: 15, 18, 22 ou 24 dBu
Unidade de fonte de alimentação redundante opcional

Sem ventoinha o Madison é particularmente adequado a ambientes sensíveis ao ruído.

Se lhe juntar o Madicom ficará a dispor de um interface MADI mais fácil de operar, simples e moderno.
Ao ligar o Madicon e o Madison ficará a dispor de um dispositivo de áudio sobre IP, mais fácil de configurar e mais fiável.
Não necessita de um roteador MADI adicional para mais de dois dispositivos MADI. A sample rate é transmitida via fluxo MADI que, de forma muito prática, o Madison segue automaticamente.

Veja aqui as características detalhadas destes produtos. Confira também os esquemas que lhe descrevem as configurações possíveis, videos e algumas análises da imprensa especializada. Contacte-nos para mais informações sobre estes e outros produtos da SPL.


Os mestres da masterização

No domínio da produção áudio, a masterização é, sem dúvida, um processo rodeado de uma aura muito especial. Esta etapa final encerra um percurso que se inicia na cabeça do compositor e lhe permite, finalmente, disponibilizar o produto da sua criatividade ao seu público alvo, seja onde for, em qualquer dos suportes hoje em dia disponíveis. É um processo crucial, capaz de ditar o sucesso ou insucesso de um projecto e determinar até uma carreira. Das ferramentas necessárias ao processo de masterização, só se lhes pode exigir uma coisa: qualidade de topo. Veja aqui quais as ferramentas que lhe disponibilizamos para executar o seu trabalho, de acordo com os mais altos padrões que dele se exigem.

Masterização é uma expressão que tem tido diferentes interpretações ao longo da história do som gravado, de acordo com os diferentes estágios a que a tecnologia se encontra. Até aos anos 40 do século passado, masterizar significava criar um master, um molde original a partir do qual as cópias de uma gravação eram reproduzidas para distribuição. O processo era inteiramente mecânico. A partir daí, com o aparecimento da fita magnética, com base na qual um primeiro original era cria, foi introduzido um processo intermédio, que visava preparar esse original, em fita magnética, para ser transferido para um novo molde, semelhante ao descrito anteriormente, embora feito em novos materiais e susceptível de ser utilizado um processo de duplicação mais sofisticado. O processo era de natureza electromencânica e, de certa forma, ainda se mantém, em certos tipos de produção. A partir dos anos 80 e 90, com a chegada da tecnologia digital ao domínio do áudio, o processo de preparação de um master assenta em tecnologia de origem exclusivamente electrónica.

A masterização é a etapa final da pós-produção de áudio. O seu objetivo é, em traços gerais, equilibrar os elementos sonoros de uma mistura estéreo e optimizar a reprodução em todos os sistemas e formatos de suportes. Tradicionalmente, a masterização é feita usando ferramentas como equalização, compressão, limitação e correcção da imagem estereofónica. A masterização pode ser assim vista como a cola ou o envernizamento que optimiza a qualidade de reprodução em todos os dispositivos – desde minúsculos alto-falantes do iPhone até aos enormes sistemas de som de uma discoteca. A masterização preenche a lacuna entre o artista e o consumidor. O próprio termo vem da ideia de uma cópia mestra. Todas as cópias ou duplicações do áudio vêm dessa cópia mestra. Essas cópias podem ser distribuídas em vários formatos, como vinil, CD, fita, e outros, ou em serviços de streaming como o Spotify, Bandcamp, iTunes e SoundCloud. Além disso, a masterização permite a reparação de determinados artefactos, cliques ou pequenos erros originados na mistura final. A masterização também garante uniformidade e consistência de som entre várias faixas de um álbum. Em última análise, o que a masterização faz é criar uma sensação limpa e coesa em todo o áudio. Tudo isto resulta de uma operação complexa que envolve a utilização de ferramentas áudio muito sofisticadas e precisas.

As ferramentas essenciais da operação de masterização começam no estúdio. Envolvem monitores de alta precisão, o equipamento de transferência e suporte do sinal (DAW), e toda a cadeia de processamento, especial para este tipo de operações. Que, como se disse, incide fundamentalmente sobre a equalização, a compressão e a correcção da panorâmica.

A Avantools disponibiliza-lhe o equipamento de referência para toda as tarefas incluídas no processo de masterização. No que respeita aos monitores, chamamos-lhe, em especial, a atenção para a linha de monitores PMC, a referência absoluta para as operações de mistura e masterização. Descubra aqui a ampla linha de monitores da marca inglesa. No que respeita ao equipamento de processamento, propomos-lhe a SPL, igualmente a referência nesta área específica. Pode consultar toda a linha da marca alemã para masterização aqui.

Consulte-nos para mais informações sobre estes e outros equipamentos que lhe propomos para o seu estúdio.


Frontliner da SPL, na linha da frente

O Frontliner é uma das últimas novidades da linha de ferramentas de estúdio de excelência da SPL. Perfeito para gravar vozes e instrumentos com a mais alta qualidade. Colocado mesmo acima do já lendário Channel One, o Frontliner combina pré-amplificador, de-esser, EQ e compressão, saturação, e pode ser usado individualmente ou em conjunto com outros equipamentos.

Frontliner da SPL

O Frontliner da SPL é um pré-amplificador híbrido, que contém um estágio semicondutor, discreto, e um estágio de válvula. A construção híbrida do pré-amplificador combina as vantagens dos semicondutores (alta dinâmica, com baixa distorção e baixo ruído) com as qualidades musicais do som da válvula (agradável espectro de tons altos / harmónicos, rigorosa tridimensionalidade.)

O pré-amplificador de microfone é construído de forma totalmente discreta a partir de transistores exclusivos. Possui alimentação phantom de 48 V, inversão de polaridade, padding e um filtro LF. A entrada de linha possui um estágio de balanceamento, de precisão, para ligar equipamentos adicionais de estúdio. A entrada de instrumento, também discreta e de baixo ruído, é facilmente acessível do painel frontal. Adicionalmente, o Frontliner contém um DeEssser, um compressor/limitador, um Equalizador/Tube Saturation e um VU grande.

Cada módulo do Frontliner tem as suas próprias entradas e saídas balanceadas. Graças a uma lógica de circuito sofisticada, a unidade pode ser integrada como dispositivo único de um ambiente de estúdio clássico. No entanto, estes diferentes módulos também podem agrupados, conforme necessário ou podem ser definidos pontos de inserção em cada interface.

Frontliner I/O

Se pensarmos nos módulos do Frontliner como plug-ins analógicos, o seu valor acrescentado torna-se perfeitamente claro. Isto faz dele uma estação de processamento analógica muito versátil, além de constituir um canal de gravação clássico. Os estúdios assentes em DAW, em especial, são enriquecidos com uma unidade de gravação clássica de topo, que é mais do que um instrumento de gravação. Através da sua sofisticada estrutura de I/O, é possível aceder a processadores analógicos, para o processamento de sinal, durante a fase de mistura.

Saiba mais sobre o Frontliner da SPL e fique a conhecer também as outras unidades que com ele podem ser combinadas, como o Channel One ou o Track One. Fique a conhecer as características de todos estes equipamentos de excelência da SPL e decida qual o que mais se adequa às suas necessidades. Contacte-nos para informações adicionais.


SPL – Ferramentas para profissionais

Aqueles de nós que não prescindem do seu equipamento analógico periférico, para processamento de sinal, sabem que as ligações são um dos problemas que afecta e limita a sua utilização. A ligação e re-ligação destes equipamentos, sobretudo num quadro de utilização sob pressão e em contexto criativo, pode ser uma tarefa complicada ou mesmo impossível. Que bom seria se um sistema expedito de ligações, como aquele que as soluções digitais proporcionam, estive à nossa disposição. Mas está! É o HERMES da SPL. Uma ferramenta vital para qualquer estúdio profissional moderno.

O debate entre o analógico e digital parece nunca ter fim. No final, parece um assunto que depende mais de opções pessoais, que não merece discussão. Há, porém, um ponto deste debate que merece reflexão séria. O digital proporciona uma facilidade e uma precisão de operação que não parece oferecer contestação. O equipamento analógico parece cair fora deste território de possibilidades, sem alguma adaptações complexas, caras e morosas. Mas há uma solução. Tão fácil como mudar a ordem dos plugins numa qualquer DAW, o modelo HERMES da SPL proporciona a resposta a todos os que não prescindem das qualidades sonoras do seu equipamento analógico. Com o HERMES, têm a flexibilidade de utilização que a solução digital trouxe, sem comprometer as exigências de qualidade sonora.

O HERMES é uma matriz de ligação que revolucionou o trabalho estúdio. É possível com esta ferramenta processar o sinal áudio através de até 8 processadores estéreo, seja qual for a sua ordem, na cadeia de processamento, através do simples premir de um botão. E pode comparar até 4 cadeias complexas de processamento, para testar resultados. Uma pequena revolução que une o melhor de dois mundos.

O HERMES aceleera fluxos de trabalho de uma forma real, sem precedentes. A reprogramação de um patchbay e o tempo que leva, tornou a comparação, só por si, extremamente difícil ou mesmo quase impossível. Com o HERMES pode mudar, guardar e comparar cadeias de processamento diferentes em segundos e sem qualquer software adicional.

Saiba mais sobre esta ferramenta imprescindível aqui. Veja este video que descreve em detalhe o modo de funcionamento do HEREMS e assista a esta análise sobre esta ferramenta, imprescindível no seu estúdio. Venha falar connosco para mais informações sobre esta e outras ferramentas fundamentais da SPL.


SPL alarga a série ONE

Muito compactos, sólidos, multifuncionais, facilidade de operação, qualidade de som imaculada, estas são algumas das características da linha ONE que a SPL acaba de lançar. Depois do modelo Phonitor One e OneD (de que lhe falámos aqui há pouco tempo), a SPL acrescenta agora os modelos Marc e Control. Leve e eleve o nível de monitorização do seu estúdio a um patamar profissional com estas soluções propostas pela SPL com a sua série ONE. Os modelos incluídos nesta série constituem ferramentas indispensáveis num estúdio moderno.

Marc ONE

Falámos-lhe aqui há pouco do novo modelo Phonitor da SPL. Trata-se de uma solução profissional, muito flexível e de alta qualidade para monitorização através de auscultadores. Os novos Control e Marc One alargam o conceito para as colunas. Trata-se de unidades de controlo de monitorização capazes de controlar até dois sistemas de colunas, incluindo um subwoofer, para além de continuarem a permitir a monitorização através de auscultadores, incorporando a mesma tecnologia do Phonitor.

O Control One proporciona-lhe entradas e saídas analógicas, através das quais poderá ligar o seu equipamento analógico e dirigi-lo ao seus sistemas de monitorização, colunas ou auscultadores. Dispõe ainda de 2 saídas de linha. No caso do Marc One, para além das funções semelhantes ao Control One disporá ainda de uma entrada digital e duas saídas digitais adicionais, via USB, que acedem um conversor AD/DA de 32bit, com capacidade de processar frequências de amostragem de até 768kHz PCM. O que lhe proporciona, por sua vez, a mais alta capacidade de conversão DA e transforma o Marc One num poderoso conversor AD de alta resolução, utilizável com a sua DAW.

Control ONE

A série ONE da SPL oferece-lhe uma solução de monitorização para o seu estúdio, da mais alta qualidade, à medida das suas necessidades e facilmente adaptável às suas condicionantes de funcionamento.

Saiba tudo sobre a nova Série ONE aqui. Veja um video com as características gerais dos novos modelos aqui. Veja aqui uma análise bastante ampla das capacidades do Marc One. Fale connosco para mais informações sobre estes equipamentos.


SPL series One

A SPL acaba de lançar um notável produto, que os mais exigentes não vão poder dispensar: o Phonitor One. Ligue os seus auscultadores favoritos e tire partido da inultrapassável qualidade desta nova ferramenta para a sua escuta, indispensável as suas tarefas com o som, seja em trabalho, seja em lazer. O Phonitor One é mais do que um novo modelo de equipamento para escuta. É um novo conceito que vai revolucionar seguramente o modo como ouvimos, no estúdio e em casa.

A SPL habituou-nos desde há muito a produtos que se podem agrupar na categoria da excelência. A palavra quer dizer, neste caso, inovação, qualidade, design, fiabilidade e solidez, as caracterísitcas que sempre distinguiram e continuam distinguir a marca alemã. O novo Phonitor One está nessa categoria, mas às características apontadas junta-lhe uma outra: estamos aqui perante um produto produto revolucionário, que vai certamente transformar fluxos de trabalho tradicionais e se vai tornar ferramenta básica para quem escuta, seja profissional, no estúdio, seja um exigente apreciador da mais alta qualidade do som.

O Phonitor One é um amplificador especialmente concebido para ser usado com auscultadores. Com uma diferença: ligue as saídas analógicas directas do seu equipamento analógico ou as saídas digitais directas do seu equipamento digital (leitor de CD/DVD, computador, tablet ou smartphone) ao Phonitor One e os seus circuitos, especialmente desenhados para reconstruir e reproduzir o sinal, vão permitir-lhe desfrutar do melhor som que jamais poderá obter. Indispensável para o profissional, utilizável para uma escuta fiel na mistura ou na masterização do som, mas utilizável também pelo audiófilo exigente, para a sua escuta pessoal. Ouvirá o palco sonoro dos seus registos como não foi possível, até agora, com qualquer outro equipamento. Graças ao revolucionário Phonitor Matrix é possível fazer variar o crossfeed entre canais e obter assim uma reprodução semelhante à que se obtém com um sistema de altifalantes.

Tudo isto graças ao desenho dos circuitos deste novo e revolucionário aparelho. Dois pré-amplificadores Burr-Brown OPA 2134 SoundPlus™ asseguram um estágio de pré-amplificação da mais alta qualidade. Ligue duas fontes analógicas via entradas balanceadas (TSR) ou não balanceadas (RCA), ligue as fontes digitais de um leitor de CD, computador ou do equipamento móvel (tablet ou smartphone.) O conversor DA, 32 bit, Velvet Sound ™ reproduz o som em frequências de amostragem até 768 kHz ou DSD4. O Phonitor One vem em dois modelos. Com as saídas de linha do Phonitor One D dispõe de um conversor DA, state of the art, até 768 kHz.

Mais um triunfo da engenharia da SPL. Consulte toda a informação que necessita sobre o novo Phonitor One aqui e sobre o Phonitor One D aqui. Venha falar connosco para mais informações e demonstrações.


NEOS da SPL, o melhor de dois mundos

Perfeita, em todos os aspectos, a NEOS da SPL é a mesa para ocupar o lugar central de qualquer estúdio. Se o seu objectivo é a produção de som ou música e qualidade é a sua palavra chave e o seu factor distintivo, se quer integrar, de forma exemplar analógico e digital, se quer uma mesa capaz de controlar diversos recursos do seu estúdio, só tem uma opção: a NEOS.

A nova NEOS da SPL

Quando se misturam diferentes pistas de uma sessão de gravação pretende-se combinar essas pistas num formato final, normalmente, duas pistas estéreo. Outros formatos são possíveis, como no caso dos sistemas surround, 5.1, 7.1, 11.1, DTS, Dolby Atmos ou Sony 360 Reality Audio, por exemplo, entre outros. Ou mais ainda, em casos especiais, como instalações, espectáculos de teatro ou concertos esse número pode ainda aumentar. O que, em qualquer caso está a acontecer é a combinação de um número variável de sinais de entrada (que pode chegar às muitas centenas, no caso do cinema, por exemplo) para um desses formatos de saída descritos anteriormente. O que uma mesa de mistura faz é a integração desses sinais de entrada e a sua distribuição por essas vias de saída, seja para uma sub-mistura ou para fixação num qualquer sistema de registo, seja ainda para a sua transmissão ao vivo, num espectáculo, via rádio ou televisão. O processo de integração dos sinais de entrada e distribuição pelos canais de saída é o somatório (em inglês summing)

nova Neos, muito compacta

Originalmente, na era pré-electrónica, o primeiro responsável pelo somatório dos diferentes sinais era o próprio executante, músico ou actor, ou o maestro, cuja função era a de equilibrar, ao vivo, a dinâmica dos sinais de modo a produzir uma mistura harmoniosa, para assim chegar directamente aos ouvidos do ouvinte ou espectador. Com o advento da electrónica, da captação através de vários microfones e da multiplicação de plataformas de registo e transmissão, surgiu a mesa de mistura. Esta permitiu controlar fisicamente a voltagem dos diferentes sinais que chegavam à mesa de mistura. A passagem para a era digital permitiu que a mistura passasse a ser feita sempre no domínio do digital, isto é, o que na realidade se está a fazer é somar zeros e uns. É o método mais corrente utilizado hoje. O debate entre a qualidade do som integrado (summed) analogicamente ou digitalmente é um clássico, e a opção por um ou por outro método tem os seus méritos e deméritos. O que sai de um estúdio tem de ser da melhor qualidade, é ponto assente. Mas, em última análise, cabe ao ouvido final do produtor a escolha. Comum a todos os detractores do summing digital é a sua falta de perspectiva, com os diferentes sinais como que esmagados contra uma superfície plana. O summing analógico mantém uma profundidade e uma margem de operação neste domínio, um pouco, se se quiser, como, na fotografia, o fotógrafo joga com a profundidade de campo. O exemplo, aliás, da fotografia com e sem profundidade de campo é particularmente esclarecedor.

Existem várias soluções no mercado para a mistura analógica. A AVANTOOLS propõe-lhe a NEOS da SPL.

Esta é uma mesa notável, dispondo de um conjunto assinalável de vantagens. Integra-se perfeitamente com a sua DAW, mas permite fazer o summing analógico, mantendo assim essa tal margem de manobra e assegurando a profundidade de campo que falta ao digital. Proporciona, por isso, uma qualidade de som superior não alcançável numa solução totalmente digital. A NEOS é uma mesa de 24 vias, de mistura ou integração, muito compacta, com faders estéreo e controladores de panorama. É também o primeiro produto deste tipo a utilizar a tecnologia 120V rail, o que lhe confere uma qualidade superior e características de funcionamento especiais. Fique a saber mais sobre esta tecnologia e sobre a razão das excepcionais qualidade sonoras que proporciona aqui. Esta é a tecnologia usada, por exemplo, nos notáveis pré-amplificadores modelo Crescendo e no novo Crescendo Duo, sobre os quais falámos aqui e aqui. A NEOS constitui ainda um sistema de controlo do seu estúdio, através do seu esquema integrado de I/O.

Veja este video sobre a nova NEOS.

Saiba mais sobre a NEOS e aproveite para saber mais ainda sobre a diversificada linha de produtos da SPL. Para mais esclarecimentos contactando-nos para demonstrações, para obter mais informação sobre estes produtos e condições de aquisição dos equipamento SPL.


SPL, o ano em revista

SPL tem lançado ao longo dos anos ferramentas destinadas aos profissionais de áudio que estes prezam e distinguem. 2019 não fugiu à regra e um número significativo de novidades viu a luz do dia em 2019.
Em jeito de balanço aqui ficam algumas destas principais novidades, que a marca alemã nos trouxe. 2020 já promete, as novidades serão anunciadas em breve na NAMM, que já aí está à porta

Crescendo da SPL

As ferramentas áudio da SPL são conhecidas pela sua intransigente qualidade, precisão e robustez. Não admira que seja a escolha dos mais prestigiados e exigentes estúdios em todo o mundo. Quer estejamos a tratar de gravação ou de masterização, o que o nome SPL suscita é ideia de uma reputação sólida e de uma longa experiência. Da longa lista de novidades que viu a luz em 2019, alguns destaques.

Das novidades que a SPL nos trouxe, um óbvio destaque vai para o CRESCENDO, o pré-amplificador de microfone de oito canais, o primeiro a operar a 120V, o que o torna virtualmente impossível de distorcer. Falámos dele em detalhe aqui, como poderá recordar.

Gemini
Hermes

Outra das novidades a merecer destaque é o processador de masterização GEMINI. Veja aqui tudo sobre o GEMINI. Esta unidade introduz um enconder-decoder M/S na cadeia de masterização. A esta linha foi ainda acrescentado em 2019 o HERMES. Trata-se de um router com capacidade de mistura em paralelo. Com o HERMES é possível enviar o sinal áudio para até oito processadores duplos, em qualquer ordem. Os presets do HERMES permitem comparar complexas cadeias de processamento através do simples premir de um botão. Veja aqui tudo sobre o HERMES.

HawkEye

Dois plugins que fazem já história foram lançados no ano transacto. Trata-se do HawkEye, o plugin que compreende um conjunto de ferramentas de medida com a precisão SPL e o IRON, o plugin que combina não só as virtudes de lendários compressores a vávulas mas traz também as vantagens da voltagem de operação High Dynamic 120 V.

IRON

Outros modelos SPL viram a luz do dia em 2019 que, claro, continua a disponibilizar um vasto conjunto de ferramentas para captação, mistura, conversão, monitorização, amplificação, etc..

Saiba mais sobre a SPL e os seus produtos aqui. Ou venha falar connosco para saber mais ainda ou para testar alguns destes produtos. Fique atento às novidades SPL para 2020.


CRESCENDO, o nome diz tudo

Um pré amplificador de microfone que não distorce, por mais larga que seja a banda dinâmica do seu sinal. Multiplique por oito e tem o CRESCENDO da SPL. O novo pré amplificador de oito canais da SPL. usa a tecnologia 120 V. As suas características estão para além do imaginável. Mas o CRESCENDO é bem real. Está aí para quem exige o melhor. O nome diz, de facto, tudo.

CRESCENDO da SPL

Imagine um pré amplificador de microfone com uma banda dinâmica e um limite de distorção tão elevados que lhe permitem captar as mais pequenas nuances dos seus microfones.

Imagine também que a electrónica do seu pré amplicador não introduz qualquer influência no som. Imagine que consegue amplificar até os mais delicados transientes, os detalhes mais ínfimos e a banda de frequência total, de forma limpa e sem distorção.

Imagine ser capaz de introduzir um ganho nos sinais mais ténues ou deixar o ganho intocado, obtendo desta forma um controlo de ganho de -2dB a 50dB. Imagine um desenho dos circuitos e um uso de componentes cuidadosamente escolhidos e testados de forma a eliminar a influência negativa que podem ter na qualidade do som.

Imagine a possibilidade de usar longos comprimentos de cabo, sem problemas, operação real de acordo com a especificação Classe A e mais um sem número de detalhes que lhe proporcionam a eliminação total dos problemas de difusão, falta de nitidez ou perda de dinâmica, habituais nos pré amplificadores, mesmo nos de gama mais alta.

Imagine tudo isto, multiplique por oito, junte, em cada canal, ganho individual, um vuímetro, controlo de fase, alimentação phantom, controlos de -20dB PAD e de monitoração do nível do vuímetro (VU -10) e uma fonte de alimentação baseada num transformador toroidal, especialmente encapsulada, que lhe proporciona isolamento total da fonte e alimentação sobre o pré amplificador.

Eis o CRESCENDO da SPL. Uma obra de arte de engenharia de que o som do seu estúdio vai beneficiar de forma dramática. Nada se lhe comparará depois de ouvir o som do CRESCENDO. Este é o modelo que acaba de ganhar o prémio da revista Resolution.

Mas há mais! Veja tudo sobre o CRESCENDO aqui. Saiba tudo sobre a tecnologia 120V aqui. Leia análises sobre este modelo aqui, aqui e aqui. Veja videos aqui e aqui.

Consulte-nos para saber mais ainda sobre o CRESCENDO da SPL.


Quando a inovação é referência

A SPL Sound Performance Lab, é uma marca de referência no universo do áudio profissional. Uma marca que se distingiu sempre pela extrema qualidade e alto grau de inovação dos seus produtos. Presente em estúdios espalhados por todo o mundo, a SPL constitu uma bitola difícil de superar. Presente também em Portugal pela mão da Avantools.

O Vitalizer ou o Trasient Designer, a tecnologia 120V ou o Phonitor são apenas uma pequena amostra do que foi e do que é a SPL. Os produtos e as tecnologias desenvolvidas e comercializadas pela marca são a ferramenta base presente no mundo da produção e pós-produção áudio, quer estejamos a falar de música, cinema, multimédia, hifi ou de broadcast.

PQ Mastering Equalizer

A SPL tem produtos em diversas áreas, com modelos adquados em caada uma paraa as dimensões e necessidades específicas dos utilizadores. Amplificadores de auscultadores, controladores de monitor, estéreo ou multicanal, préamplificadores, processamento, interfaces e conversores, unidades centrais para masterização, mesas de mistura, crossovers e amplificadores de potência, é uma gama muito vasta de produtos que poderá apreciar aqui.

Gain Station

O afamado Bob Ludwig optou pela MMC2. Leia tudo sobre esta sua opção pela aqui. Obtenha aqui um manual sobre masterização da SPL. Veja aqui mais alguns videos sobre outros produtos da marca.

Venha falar connosco e ouvir por si o que a SPL tem para lhe oferecer.